sexta-feira, 22 de julho de 2016

A AMÉRICA NO SEU "MELHOR"


O Partido Republicano dos Estados Unidos da América escolheu, ontem, 21 de Julho de 2016, o seu candidato que irá disputar a presidência nas eleições de Novembro próximo, contra a candidata do Partido Democrata.

O candidato, Donald Trump, representa aquilo que a América tem de pior, a xenofobia, o racismo e o regresso do país ao papel de “polícia do Mundo”. A extravagante ideia da construção de um muro ao longo de toda a fronteira com o México, uma ideia que esteve, sempre, presente nos comícios por onde passou faz-nos temer pelo futuro do nosso planeta, atualmente envolto em demasiados conflitos, o mais perigoso dos quais foi o surgimento do DAESH, só possível pela “loucura” do penúltimo presidente dos USA, que iniciou uma guerra contra um país soberano, embora governado por um ditador, baseada em mentiras “fabricadas” pela CIA.



Nunca é demais lembrar que foram George W. Bush, Tony Blair, José Maria Aznar, tendo, como “camareiro” Durão Barroso, na famosa cimeira dos Açores que, com a sua loucura coletiva, deram origem ao inferno em que hoje se transformou o nosso mundo e onde a violência não pára de aumentar, no entanto, uma grande parte dos americanos não aprenderam com a lição, mesmo que muitas vezes repetida
.
Os massacres continuam a aumentar, a violência mortal por parte da polícia americana contra cidadãos negros indefesos é algo que deveria fazer corar de vergonha qualquer sociedade. No entanto, o poderoso loby do armamento, bem como dos seus apaniguados, continuam a defender uma lei, com mais duzentos anos, que permite aos americanos, a partir dos oito anos de idade, terem a sua própria arma. É a América no seu “melhor” e foi esta parte da América que escolheu Donald Trump para a governar e a representar no nosso Mundo.

A América dos “cow boys” e do “farwest”, afinal, continua a existir, para o nosso mal.
Estou esperançado que mais esta loucura seja passageira e que só dure até ao início de Novembro.


Ovar, 22 de Julho de 2016
Álvaro Teixeira