terça-feira, 12 de julho de 2016

Sancionistas e Predadores




Hoje, 12 de Julho, o Conselho, do Ecofin decidiu aplicar sanções a Portugal e à Espanha por défice excessivo, seguindo as recomendações da Comissão Europeia.
No caso de Portugal e esse de que me interessa divagar, esteve sob intervenção da Troika desde 2011 e, as “receitas” aplicadas pra o equilíbrio das nossas contas não resultou, apesar do Governo PSD/CDS ter ido além da Troika. Os chamados “bons alunos” falharam e os seus “professores”, nomeadamente a senhora Lagarde, dizem que e aconselham a Comissão Europeia a ser dura com os países incumpridores.

Os portugueses conheceram a maior carga de impostos de que há memória, os reformados viram as suas parcas pensões reduzidas, os serviços de saúde foram reduzidos aos mínimos, o estado social foi arrastado para o seu desmantelamento, além de outros malefícios a que nos conduziu a Troika e o Governo PSD/CDS. É claro que é nesta fase que entram os predadores que se aproveitaram de tudo o que o Estado punha de lado, para devorarem tudo o que ficava à sua disposição. Exemplos disso não faltam, basta ver o que os hospitais privados ganharam por falta de assistência aos doentes nos hospitais públicos, o que ganharam os colégios privados à custa da diminuição do ensino público e assim por diante.



A cereja em cima do bolo seria a privatização da Caixa Geral de Depósitos, descapitalizando-a, para se proceder à sua privatização.

E o que ganharam os portugueses com as privatizações da REN, da EDP, dos CTT, da Galp e outras? Ganharam preços mais elevados na prestação ou fornecimento de serviços e viram os lucros irem parar aos bolsos dos predadores e os seus prejuízos distribuídos por todos nós.

Francamente, não é esta Europa com que sonhei. Esta Europa está a ser dominada por “sancionistas” e “predadores”, a começar pelo “império germânico”. Por este caminho, vamos avançar para a implosão da União Europeia, porque outros “exits” estão a caminho, a começar pela Holanda.

Vamos aguardar os acontecimentos, mas o futuro não se apresenta nada risonho.

Ovar, 12 de Julho de 2016

Álvaro Teixeira