sexta-feira, 8 de julho de 2016

Tony Blair e a guerra no Iraque


Tony Blair
Esta semana ficamos surpreendidos com as declarações de Tony Blair sobre a Guerra do Iraque.
Este "fulano" que foi apelidado de "caniche do Bush" afirma que avançou para a guerra, porque foi enganado pelas informações dos serviços secretos que lhe terão garantido a existência de armas de destruição massiva detidas pelo regime do Saddam Hussein. Como todos sabemos, tudo isto não passou de uma mentira, embora mal engendrada, pelos secretos americanos.

Colin Powell

Todos nos recordamos da triste figura de Colin Powell ao apresentar desenhos e fotografias irreais, para convencer o Conselho de Segurança da ONU da existência das famigeradas ADM no Iraque.

Tony Blair diz, agora, que foi a Guerra no Iraque que deu origem ao Daesh, ou Estado Islâmico, que tem espalhado o terror por todo o Planeta.

Será que este arrependimento chega para reparar as centenas de milhares de mortos e de refugiados que se tem verificado?

Quanto a mim, não. Para gente desta há um tribunal, o TPI, que tem, como missão, julgar os crimes de guerra.
Só este tribunal poderá colocar a opinião pública alerta contra estes falsos pacificadores que parecem gozar de toda a impunidade, para que outros não sigam o mesmo caminho, ou tomem as mesmas opções.

O "bando dos quatro", na reunião dos Açores que precedeu a Inavasão do Iraque.

Há quatro responsáveis por esta tragédia, George Bush, Aznar, Tony Blair e Durão Barroso. Todos estes deveriam responder no TPI pelos crimes que, a seu mando, foram cometidos e pelas suas consequências que, cada vez mais se agravam pelo nosso Mundo.

Espero que a memória colectiva continue viva.
Julguem os criminosos.

NOTA: Acabei de ouvir esta notícia na TV, afinal o crime compensa:  "Durão Barroso vai ser presidente do Conselho de Administração da Goldman Sachs. O ex-presidente da Comissão Europeia assumirá também o cargo de consultor."

Indignemo-nos.



Ovar, 8 de Julho de 2016
Álvaro Teixeira