quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Trump não é um nacionalista, é um imperialista !

 

De todos presidentes dos EUA qual foi o que não pôs o seu país em primeiro lugar?

De repente os media e uma caterva de comentadores de uma penada passaram a considerar Donald Trump um nacionalista. Assim. Rui Tavares vai direto ao homem que escreveu o discurso de Trump, Steve Banon, que classificou o discurso de tomada de posse do Presidente como uma declaração de princípios básicos do seu movimento populista e nacionalista.

Por todo o lado se classifica Trump como nacionalista e se movimentam ideias colando-o ao nacionalismo. É verdade que Trump afirmou que a América estaria primeiro e primeiro. OK.

Então convém responder a esta questão - de todos os presidentes dos E.U.A. ( e não da América) qual foi o que não pôs os E.U.A em primeiro lugar? Um só, por favor…Quantas guerras os E.U.A não desencadearam para defender os seus interesses em primeiro lugar? A questão da NATO -  não foi criada sobretudo para defender os interesses dos E.U.A.?

 

donald-trump

 

Donald Trump não disse que ia fortalecer as Forças Armadas e os arsenais nucleares? Então não há ameaças veladas e abertas à ordem internacional? Ou será que Trump é tão nacionalista que para defender os EUA vai colocar a embaixada do seu país, em Israel, em Jerusalém? Então o nacionalista Trump não está a ameaçar Cuba? Ou o Irão, apesar dos EUA terem assinado um acordo com vários parceiros internacionais? Então esta desordem internacional é uma filosofia nacionalista?

Trump não é um nacionalista. É um imperialista. É o Presidente do país mais poderoso do mundo e que assistindo ao seu declínio levanta mil e uma demagogias e biombos para esconder a face imperialista que lhe calha a matar… E deste lado de cá, a Alemanha, capitã da U.E,  na defesa dos seus interesses, em primeiro lugar, e antes dos outros é o quê? Internacionalista? Quando esmifra Portugal e a Grécia é o quê? Cosmopolita? Benemérita?

O que faz recrudescer certo tipo de nacionalismo é exatamente o facto de as grandes potências explorarem as outras nações, como é o caso dos países da U.E. que impõem a política austeritária aos do sul.

Então historicamente Nasser, Agostinho Neto, Amílcar Cabral, José Marti, Tira Dentes, Nkruma, Senghor, Gandi, Sun Yat Sen não foram os nacionalistas que quiseram libertar os seus povos? Como seria o mundo sem esses nacionalismos libertadores? Continuaríamos no Tratado de Tordesilhas ou no Tratado de Berlim?

Trump é neste momento o porta voz dos interesses imperialistas dos E.U.A. Se é, do ponto de vista das diversas fações e círculos dirigentes daquele país, o mais adequado é discutível, mas ele é o chefe de fila dos interesses egoístas dos EUA. Para se considerar Trump um nacionalista teria de se ver a sua administração desmantelar a NATO, retirar as dezenas e dezenas de milhares de soldados dos sete cantos do mundo desde a Europa à Oceânia e concentrar o seu exército nos EUA? Há alguém com tino que acredite nisso?

Defender os interesses de Portugal, no quadro europeu e internacional, não pode ser confundido com qualquer espécie de nacionalismo. Os patriotas sabem do que se trata.

É prudente em que os grandes querem esmifrar os pequenos para continuarem a ter situações privilegiadas nos mercados, não travar uma luta séria pela defesa dos interesses nacionais? É prudente esperar que Bruxelas defenda os países vítimas da crise do sistema bancário?  

O melhor do Público no email

Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da atualidade e os trabalhos mais profundos do Público.

Não brinquemos com coisas sérias. Se continuar a ouvir as louvaminhas da U.E a favor da austeridade não será apelidado de nacionalista, mas seguramente que no caso português os direitos humanos ficarão como agora se diz muito, muito poucochinhos…

É aqui que bate o ponto. A U.E. para ser melhorada tem de aceitar aquilo que até agora não aceita – libertar os países do sul da tirania da austeridade e fazer respeitar os direitos humanos urbi et orbi.

 

Fonte: Jornal Público

 

Ovar, 25 de janeiro de 2017

Álvaro teixeira