quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

PARA SEMPRE ZECA

 

(Joaquim Vassalo Abreu, 23/02/2017)

Hoje é dia do ZECA! Faz hoje trinta anos que ele fisicamente nos deixou, o dia em que me lembro de ter posto gravata preta. Perguntavam-me, por inopinado gesto, quem te morreu? Eu respondia : parte da minha Alma, o ZECA!
Mas não conheço ninguém que, passados tantos anos, esteja tão presente em nós. Quem não o conheceu até pode achar estranho mas são seres destes, por tão excepcionais, que nos fazem sempre recordar que vale a pena lutar, ser justo, ser solidário, ser amigo, ser tolerante, ter cultura, ter humildade, ser simples e apreciar o belo. Ninguém como ele o fez e conseguiu transmitir.
Ele que tanto cantou, ele que tudo antecipou, ele que tanto lutou, contra medos e contra fantasmas, ele que por isso tanto pagou, ele nunca deixou de nos guiar, sempre à frente de tudo e nem a morte isso afastou!
Cantou Primaveras, as trombetas do futuro soavam sempre em seus e nossos ouvidos, cantou o Maio Maduro e as Águas das Fontes que mandou calar e chorar quando não mais cantasse. Cantou o coro dos caídos e os dos tribunais. Os vampirescos vendidos e os seus eunucos que a si mesmo se devoravam. As odes campestres, os verdes campos e o sol Alentejano. E a Catarina. “ Quem viu morrer Catarina, não esquece a quem matou”. Os pastores de Bensafrim e os Amigos! Os Amigos sempre convocados, estivessem ou não. “ E se alguém houver que não queira, trá-lo contigo também…”! Os amores, as lutas, as Madrugadas…tudo ele cantou. As Utopias, os alvores, os cantores….
Tudo, mas tudo o ZECA cantou, tudo o ZECA previu e tudo o ZECA ensinou. Ensinou-nos a cantar o Menino de Oiro, o do Bairro Negro, as faluas que lá vinham e a Canção de Embalar! Quem nunca adormeceu os seus filhos ao som desse “ embalar”? Quem nunca, depois de adormecidos não lhes assoprava o seu “ Redondo Vocábulo”? Quem? “ Canta meu menino a estrela de alva, já a procurei e não a vi. Se ela não vier de madrugada, outra que eu souber será pra ti…”. Haverá porventura alguma criança que se recuse a adormecer perante coisa tão bela?



Ele cantou os Filhos da Madrugada…que pela praia do mar se vão, á procura da manhã clara…!Que lá do alto da montanha acendiam uma fogueira, para não se apagar a chama…
E “ Vejam bem que não há só gaivotas em terra quando um homem se põe a cantar! Quem lá vem dorme a noite ao relento na areia… não há quem lhe possa valer…”
Uma enormidade Humana foi e é este Homem. Um Farol imponente no promontório da nossa Vida. Sempre emitindo uma luz que nos ensina o caminho, mesmo no mais profundo bréu. Nós os que tivemos a felicidade de o conhecer e de por ele e pelas suas músicas e intervenções sempre ansiar, sempre vimos nele aquele ser simples e tímido, mas desbravado, corajoso, sempre focado e firme. Livre e independente. FIRME, como ele sempre dizia qualquer homem dever estar.~
“ CANTIGAS DO MAIO”, editado em 1971, que numa breve brecha da Censura eu consegui ouvir em primeira mão e na íntegra na Emissora Nacional da altura é, talvez, a sua melhor e mais completa obra. Com o dedo profissional de José Mário Branco. Um tratado de música e um marco pioneiro de quem andou sempre, em tudo, à frente do tempo. Uma obra prima que fez com que a música em Portuga jamais fosse a mesma, do mesmo modo como muitos anos antes tinha rompido com o “ nacional cançonetismo” e que levou o grande escritor e dramaturgo Bernardo Santareno, comentando num célebre texto os seus “ Filhos da Madrugada” , a proferir a intemporal frase : “ …Nem tudo está podre no Reino da Dinamarca”.
Venham Mais Cinco, ele cantava. E venham, novos e velhos, venham todos cantar o ZECA. E a Liberdade, o Futuro e a Amizade. Todos os que vierem por bem…Venham…mas não venham sós…

Ovar, 23 de fevereiro de 2017
Álvaro Teixeira