domingo, 21 de maio de 2017

Fahrenheit 2,8 (estatuadesal)

 

(João Quadros, in Jornal de Negócios, 19/05/2017)
2.8
Fahrenheit 451 é um romance de Ray Bradbury. O livro conta a história de um futuro onde todos os livros são proibidos, as opiniões próprias são consideradas anti-sociais e o pensamento crítico é suprimido. No fundo, o sonho húmido de Aníbal Cavaco Silva.
O número 451 é a temperatura (em graus Fahrenheit) a que queima o papel, o equivalente a 233 graus Celsius. O que se passou neste trimestre é uma espécie de Fahrenheit 2,8 de tudo o que foi escrito sobre a "geringonça" e o futuro do país após a construção desta alternativa à PAF. 2,8 de crescimento é a temperatura a que ardem as calças do José Gomes Ferreira (ao menos a maquilhadora do Zé Gomes Ferreira é de esquerda). É penoso ver a cara de quem anunciava um segundo resgate ter de pegar no dois, e acrescentar-lhe uma vírgula e um oito, e falar de aumento do PIB. Nunca vi tanta gente encolhida a falar de crescimento.
Se o livro de Bradbury fala do futuro, aqui convém recordar o passado. Se recordarmos as capas dos jornais, na altura do acordo de esquerdas, o que lemos é "Perante a possibilidade de um governo de esquerda Mercados estão nervosos e acreditam num segundo resgate." "UE não vai aceitar orçamento do governo do PS." "Investidores receiam apostar em Portugal com governo de esquerda." Podíamos fazer um World Press Photo com as capas dos jornais de tragédias que foram previstas para o nosso país. Claro que isto seria o fim de uma cartomante mas nunca o fim dos especialistas em economia, que nem chega a ser uma ciência.
É nestes momentos que tenho pena que não exista uma bwin para estes apostadores do TINA. Estes Bisavós do Restelo. Passos teria perdido o apartamento em Massamá depois de ter apostado tudo na vinda do Diabo e sair-lhe o Papa. Os profetas do "aumento do salário mínimo vai causar desemprego" eram os únicos que tinham ficado desempregados.
Não tenho nada contra o Medina Carreira, excepto ter partilhado o mesmo programa com o Crato, mas se calhar já o mudava de área. Fica triste não acertar uma. Na minha ideia, o Medina Carreira substituía o Ljubomir Stanisic no "Pesadelo na Cozinha". Ou faziam um pesadelo na contabilidade do restaurante e ele entrava ali e destratava o contabilista e anunciava a falência para semana .
Durante anos foi-nos dito, diariamente, que não havia alternativa. Nem valia a pena tentar. Só o facto de falar nisso estragava o pouco que já tínhamos. Éramos uma Natascha Kampusch na cave de um Wolfgang qualquer. Chamaram-nos piegas e agora temos a mesma gente a chorar porque crescemos 2,8.
Ver o PSD a dizer que se o país cresceu 2,8 no primeiro trimestre de 2017 é graças ao seu governo, é como ver um indivíduo a queixar-se que ele é que tomou os comprimidos para o "enlarge your penis" mas o outro é que tem o pénis maior. Ou um marinheiro que está no alto mar há um ano e meio, e que nem enviou o ordenado para casa, achar que a mulher está grávida e o filho é dele.
 
Ovar, 21 de maio de 2017
Álvaro Teixeira