sexta-feira, 23 de junho de 2017

Olhos não veem, coração ainda sente



por estatuadesal
(Daniel Oliveira, in Expresso Diário, 23/06/2017)
daniel2
Com diretos ininterruptos seria expectável que as televisões nos dessem, nos últimos seis dias, todos os ângulos do que está a acontecer em relação aos incêndios. Comparassem a situação da nossa floresta com outros países para perceber em que dimensão falha. Fizessem reportagens sobre os meios para percebermos se são suficientes e se o modelo de bombeiros voluntários é o melhor. Compreenderíamos, com trabalhos aprofundados feitos por jornalistas, os efeitos da ausência de cadastro, do minifúndio, da desertificação, do tipo de florestação, da dificuldade em garantir a limpeza. Os limites da intervenção do Estado e das autarquias, o poder das empresas de celulose e a racionalidade económica desta escolha. Com todos os meios concentrados nos fogos, as televisões poderiam começar a dar-nos o material para o debate que temos de fazer. E não chega convidar especialistas para falar. O trabalho de reportagem não é só o direto onde há ação. Se é para termos um banquete de informação que seja variado.
Mas as horas de diretos não têm essa função. Elas estão no domínio do espetáculo. Substitui a novela pelas notícias. Deixei de ver os diretos dos incêndios logo ao fim do segundo dia. Por um enorme cansaço. Cansaço pelo permanente apelo à emoção, em que jornalistas se tornam poetas e a tragédia real de pessoas reais tem banda sonora.
Cansaço pelo incómodo de ver jornalistas a pedirem às pessoas para relatarem o seu próprio sofrimento, em direto, ao ponto de lhes travarem a fuga com perguntas imbecis. Não me esqueço da imagem de um homem a ser puxado por mulheres para abandonar a casa com um jornalista plantado à sua frente, a apontar o microfone para um rosto ausente. Cansaço com a substituição do jornalismo anónimo, que relata e mostra ficando atrás da câmara, pelo estrelado que usa a tragédia como cenário e o cadáver como um adereço, e transforma o jornalista em protagonista.
O caso mais extraordinário causou indignação a muitos telespetadores, mostrando que o cidadão comum tem mais noção dos limites do que muitos jornalistas. Mais do que a exibição de um cadáver tapado – apesar disso ser discutível –, o problema é um cadáver ser transformado em adereço de um “vivo” de Judite de Sousa, na mais macabra exibição de desrespeito que se pode imaginar. Mas tem razão a TVI quando diz que não são os únicos a falhar e recorda que até houve quem exibisse a fotografia de uma criança que tinha morrido, mesmo sabendo-se que os seus pais nem sequer estão em Portugal.
Numa comunicação social em crise, que viu nesta tragédia um momento para respirar, os tropeções têm sido muitos. Temos falado e vamos continuar a falar de tudo o que falhou nos bombeiros, na proteção civil, no Governo. Mas pode dizer-se que a comunicação social não está a passar neste teste. E o jornalismo escrito foi o único que, apesar de algumas falhas graves, cumpriu minimamente a sua função.
Fiquei cansado porque já nada de realmente informativo me estava a ser dado. Só dor, para que a dor me prenda ao televisor. Em doses repetitivas até já não ser dor nenhuma. Até ser apenas uma coisa que se possa transformar num hashtag.
Para defender a minha capacidade humana de continuar a sentir compaixão pelos outros desliguei a televisão. Às vezes é preciso ver menos para se continuar a sentir. Também estou, como Henrique Monteiro, farto de histórias sobre sobreviventes e mortos do fogo. Preciso, nas televisões, de jornalismo com menos sentimentos e mais informação.