sexta-feira, 14 de julho de 2017

Usar a TVI para destruir um já existente e comprá-lo a preço de saldo?



Em 2015, o grupo Altice passou pela quermesse de Passos Coelho e levou a PT, por um simpático valor que rumou, na sua quase totalidade, para o Brasil. Para isso e para pagar dívidas que a meritocracia capitalista – leia-se boys & girls do regime – nos deixou de herança, como forma de agradecimentos pelos milhões em bónus que lhes pagamos ao longo dos anos. Maravilhas da boa nova liberal.
Dois anos volvidos, a Altice adquiriu hoje uma posição maioritária na Media Capital, acumulando assim o controle da MEO com o da TVI, o canal português que se encontra no patamar de sensacionalismo e parolice imediatamente anterior ao do Correio da Manha.
O próximo passo, revelou ontem o Expresso, será a entrada no sector da banca, através do lançamento do Alticebank. Estará a compra da TVI relacionada com a decisão do grupo francês? É que, a julgar pelo papel decisivo que estação televisiva teve na derrocada do Banif, imediatamente adquirido pelo Santander, accionista do grupo Prisa, que detinha até hoje a TVI, quer me parecer que poderá haver aqui alguma relação. Assim, em vez de criar um novo banco de raiz, poderá a Altice limitar-se a arruinar um dos já fragilizados bancos portugueses, que são quase todos, senão mesmo todos, e resolve-se a coisa por meia-dúzia de milhões. Para pagar o remanescente estamos cá nós.
Eric Piermont/Getty@Expresso
Fonte: Aventar