Mostrar mensagens com a etiqueta Eleições. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Eleições. Mostrar todas as mensagens

domingo, 24 de setembro de 2017

Catalães na rua

por Ana Moreno


Muitos milhares de pessoas dançaram ontem na rua até de madrugada nas festas da cidade de Barcelona. Esta gente sabe unir-se, sabe protestar e sabe desfrutar.


domingo, 3 de setembro de 2017

PS com 43% e mais 20,1% que o PSD



por estatuadesal
(Por Dieter Dillinger in Facebook, 01/09/2017)
img_817x460$2017_08_27_20_47_12_316295

Apesar dos violentos ataques ao Governo durante o verão quente dos incêndios que levou muita gente a suspeitar que foram ateados por pessoas a mando do PSD/CDS, o PS posicionou-se muito bem nas sondagens do barómetro Aximage realizadas nos dias 29 e 30 de Agosto para o Negócios e para o Correio da Manhã e publicadas no Negócios de hoje (01-09-2017) - Ver aqui
Assim, o PS regista 43% de intenções de votos, o que significou uma quebra de 1%, mas que não impediu que a distância em relação ao PSD aumentasse de 19,1 para 20,1%, que ficou nos 22,9% de bem intencionados votantes.O segundo maior partido dos três grandes foi o da Abstenção que ronda os 34%. Os restantes três partidos ficaram abaixo dos 10%. Assim, o BE com 9,1%, a CDU com 7,8% e o CDS da Cristas com 5,2% que representa uma evolução porque já andou nos 4,5%.
Por sua vez, 38,5% dos inquiridos disseram que o Governo andou mal na gestão dos fogos, o que significa que o PSD/Coelho andou bem na estratégia nacional de incendiar a PÁTRIA, já que o objetivo foi criar situações de muitos fogos próximos que impedisse o corpo de bombeiros de atuar. A tragédia de Pedrógão foi bem planeada para criar uma situação com muitas mortes. Os incendiários sabiam que havia uma estrada coberta de copas de árvores que uma vez a arderem queimariam quem por lá passasse e, principalmente, os habitantes em fuga de aldeias próximas já cercadas pelos fogos ateados pelos incendiários da terra do juiz de instrução Alexandre.
Vamos pois ver se o Ministério Público e os juízes de instrução conseguem que os incendiários denunciem os seus mandantes e pagantes ou digam porque razões incendiaram a PÁTRIA que parece não ser a dos procuradores e juízes alegadamente terroristas, isto como afirmação de caráter político e, naturalmente, deduzida a partir das consequências práticas.

domingo, 27 de agosto de 2017

O povo está com o MPLA?

ANGOLA
Posted: 26 Aug 2017 01:13 PM PDT
De acordo com os dados finais provisórios das eleições angolanas, o MPLA obteve 150 lugares na Assembleia Nacional de 220 membros, o que lhe permite obter à risca uma maioria parlamentar qualificada de 2/3. Com isto fica em condições de tomar decisões estratégicas - incluindo alterar a Constituição - sem negociar com a oposição. Esta era a vitória mínima que o partido no poder em Angola necessitava para poder continuar a governar o país como tem feito até aqui - ou seja, num regime político que é multipartidário na forma, mas de partido único na prática.
A julgar pelo tom da imprensa portuguesa, agora só resta desejar ao novo parlamento e, em particular, ao putativo presidente João Lourenço, toda a inspiração e sucesso para a nova legislatura, esperando que dela resulte um país mais próspero, mais justo e mais estável. Acontece que está longe de ser claro que a extensão da vitória do MPLA anunciada pela Comissão Nacional Eleitoral corresponda aos resultados efectivamente obtidos nas urnas. Vários observadores internacionais (incluindo os deputados portugueses lá presentes) deram conta do bom funcionamento das mesas de voto), mas não se pronunciaram acerca do processo de contagem desses votos. Sobre isto, há vários sinais que suscitam inquietação.


quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Que futuro para o legado de “Zédu”?


por estatuadesal
(Mariana Mortágua, 22/08/2017)
mariana_mor2
Amanhã, Angola vai a eleições, sabendo, à partida, que José Eduardo dos Santos não será mais presidente. Depois de 38 anos no poder, "Zédu", - o mais antigo governante do Mundo, juntamente com Obiang, da Guiné Equatorial - abandonará o seu cargo. Que Luanda albergará um novo presidente, não há dúvidas. Que a oligarquia do MPLA, que tem saqueado o país sob o comando da família dos Santos, deixará de controlar os seus destinos, isso é outra história.
João Lourenço, o atual candidato à presidência, foi escolhido por José Eduardo dos Santos. As sondagens não estão famosas para o partido do poder, mas também não é de esperar que o MPLA abdique facilmente. A prová-lo estão as denúncias de falta de transparência e tratamento desigual por parte dos partidos da Oposição. Isto sem falar da opressão política e institucional que o partido exerce no país.
Caso ganhe, as dúvidas recaem sob que caminho escolherá Lourenço.
A primeira hipótese é ser um fantoche de José Eduardo dos Santos que, habilmente, teceu uma teia que lhe permitirá, e à sua família, manter um enorme poder sobre o país. Poder militar, uma vez que poderá continuar a nomear os seus generais durante oito anos. Poder político, através do lugar que conservará à frente do MPLA e no Conselho da República. E, mais importante, poder económico, que reparte com os seus generais e família. Isabel dos Santos, a mulher mais rica de África, está à frente da petrolífera estatal Sonangol, além de bancos e empresas de comunicação. Zenú, irmão mais novo de Isabel, envolvido num alegado esquema de desvio de dinheiro denunciado nos Panamá Papers, manter-se-á à frente do Fundo Soberano de Angola. Tchizé e José Paulino, os dois irmãos seguintes, controlam dois canais de televisão. Eduane, o mais novo, é acionista do Banco Postal Angolano. Isto sem falar em Manuel Vicente, e os generais "Kopelipa" e "Dino", envolvidos no saque ao Banco Espírito Santo Angola e investigados por corrupção e branqueamento em Portugal.
Terá Lourenço a coragem, ou ambição, para retirar as sanguessugas da família dos Santos do aparelho económico angolano? Se não o fizer, confirmar-se-á a tese do fantoche. Mas, caso aconteça, que fará Lourenço, um homem do regime, cúmplice do saque, com essas nomeações? Será que o melhor que Angola pode esperar do MPLA é a dança das cadeiras da oligarquia em busca da revalidação política, popular e internacional? Ainda não sabemos.
Mude o que mudar a partir de amanhã, uma coisa é certa. José Eduardo dos Santos, o homem de quem se fala, muitas vezes com reverência, e que Portugal sempre se recusou a condenar, saqueou Angola nos últimos 38 anos. Usurpou dinheiro dos diamantes e do petróleo para enriquecimento próprio, deixando a população sem liberdade, educação ou serviços públicos. É esse o seu legado.
* DEPUTADA DO BE

terça-feira, 22 de agosto de 2017

O gambozino da maioria absoluta



por estatuadesal
(Francisco Louçã, in Público, 22/08/2017)
louça1
Este texto sugere-me alguns comentários caro Louçã:
1. A direita já viu que a Geringonça vai até ao fim da legislatura.
2. Tenta atrair o PS com "os cânticos da sereia" da maioria absoluta.
3. Prepara a saída de Passos Coelho para tornar acordos ao centro mais tentadores e menos indigestos para o PS.
4. Tenta convencer o PS que, mesmo sózinho, a maioria absoluta pode estar ao virar da esquina.
5. Tudo fábulas encantatórias. Em eleições gerais, em 2019, antevejo um reforço eleitoral dos partidos à esquerda do PS, se até lá não cometerem grandes asneiras, como, por exemplo, abrirem uma crise política.
6. E a razão é simples: todas as reversões na política de rendimentos que melhorou a vida das pessoas foram consequência das exigências ao PS feitas por esses partidos. Os eleitores viram que o seu voto quer no BE quer no PCP deixou de ser apenas um voto de protesto e que passou a ter influência na governação, logo nas suas vidas.
7. Logo, não há razão para que mudem o seu sentido de voto,, antes pelo contrário: muitos pragmáticos de centro-esquerda terão tendência a reforçar tal sentido de voto. Porque ele passou a ter relevância prática e para que o PS enterre de vez as suas tentações de construir alianças ao centro, tipo bloco central.
Estátua de Sal, 22/08/2017

Que há quem garanta que os gambozinos existem, é ponto assente; mas que nunca foi caçado tal bicho, parece mais do que certo. Descontando as inquietações popperianas sobre a dificuldade de refutar a primeira hipótese, resta o problema maior para os duvidantes: devemos caçar gambozinos na presunção de que existem ou de que não existem? A questão complica-se ainda mais para quem sustenta que a inexistência de provas documentadas sobre alguma aparição do animal sugere que se trate de uma ficção. Então, a questão passa a ser: devemos aceitar a ideia da caçada que tomamos por pueril ou devemos recusar o jogo, ainda que algum dia pudesse ser provado que a ausência do registo do bicho foi descuido nosso?


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O PSD vai voltar ao poder com Pedro Passos Coelho?



por estatuadesal
(Nicolau Santos, in Expresso Diário, 04/08/2017)
nicolau

Nas últimas semanas, o Governo, a quem tudo corria bem onde se pensava que tudo lhe correria mal (na frente económica), viu a vida a correr mal nas áreas onde se pensava que tudo lhe correria bem (política, social e laboral). O Presidente da República deu uma entrevista e a sua pitonisa, Luís Marques Mendes, disse que era a prova de que Marcelo se tinha começado a distanciar do Executivo. A oposição tem cavalgado impiedosamente o drama dos incêndios e o roubo de Tancos, anunciando mesmo o apoio a greves anunciadas. Sente-se que o Governo está ferido e que as negociações para o Orçamento do Estado de 2018 podem abrir fissuras importantes entre PS, por um lado, e Bloco e PCP, por outro. A maioria absoluta com que os socialistas secretamente sonhavam é agora mais incerta e a oposição não afasta uma vitória eleitoral em 2019. Há, contudo, um pequeno problema: será que o PSD pensa que vai voltar ao poder tendo como líder Pedro Passos Coelho? Será que o presidente do PSD é o homem certo para cativar o voto dos portugueses? Será que os sociais-democratas pensam que o discurso punitivo do seu líder entre 2011 e 1015, bem como o rol de desgraças que tem anunciado ao país desde aí, conduzirá a uma enorme vaga de fundo que levará de novo o PSD ao poder daqui a dois anos?

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Os interesses de Isabel dos Santos em Portugal

Arrancou a campanha eleitoral em Angola. Ao fim de 37 anos, José Eduardo dos Santos sai de cena. A sua primogénita é o membro da família mais "português". Veja como
Os interesses de Isabel dos Santos em Portugal
© Visão Os interesses de Isabel dos Santos em Portugal
NOS: 52,14%
A participação, indireta, consubstancia-se através de uma tranche de 50% na Zopt, através de duas empresas de Isabel dos Santos – a Unitel International Holdings BV (32,65%, com sede na Holanda) e a Kento Holding Limited (17,35%, registada em Malta). A Zopt tem 52,14% da Nos e 81,8% da Optimus. A Nos tem 100% da Lusomundo e 30% da Zap, a sua congénere angolana.
Banco BIC Português: 42,5%
Este foi o banco lançado pelo trio Fernando Teles, Américo Amorim e Isabel dos Santos. Mas, no final de 2014, Américo Amorim sai da estrutura e, na recomposição acionista, a empresária angolana e o seu grande parceiro para a área financeira, Fernando Teles, absorvem a posição. Isabel, através da Santoro, reforça para 42,5% a participação. Foi o BIC Português (agora EuroBIC) que aglutinou a parte boa que restou dos destroços do BPN, por 40 milhões de euros.

sábado, 10 de junho de 2017

Magnífico Pirro



por estatuadesal
(Francisco Louçã, in Público, 09/06/2017)
louca
Francisco Louçã

Tudo falhou na estratégia dos Tories e os resultados não deixam margem para dúvida. A aventura começou – e foi ontem – com uma vantagem de 20% nas sondagens e a certeza da maior vitória em cem anos, com Corbyn etiquetado como um “activo tóxico” que levaria os trabalhistas às catacumbas. À medida que a campanha decorria, apesar do reforço de gravitas que os atentados sempre permitem, Theresa May foi caindo e recorreu ao desespero, com a promessa de dinamitar os direitos humanos, facto significativo para demonstrar como a direita pensa ganhar uma eleição. Perdeu a maioria e agora só sobrevive com uma difícil aliança com os lealistas irlandeses (na Irlanda o partido que mais cresce é o Sinn Fein, que disputa a supremacia e que beneficiará desta aliança).
Mas engana-se quem pensa que ficará tudo na mesma, passado o nevoeiro eleitoral. Há pelo menos três grandes mudanças de que estas eleições são sintoma.
A primeira, e é irreversível, é que a Europa se tornou um remoinho destruidor dos partidos em que assentou o poder político tradicional. Isso não volta atrás. Veja bem, há uma regra que se aplica nos grandes países: os perdedores da globalização e da União desconfiam dos seus governantes e preferem trocá-los por quem estiver em condições de os substituir. É isso que leva alguns dos líderes europeus à vertigem da aventura, como os referendos no Reino Unido e em Itália. É isso que explica a derrota da UE na primeira volta das presidenciais francesas e o recurso a uma cesarismo de ocasião para reverter o resultado, o que conseguiu na segunda volta. Assim, o consenso neoliberal desabou, e era o suporte dos partidos governantes, em Itália desde que o Partido Comunista se transformou em Renzi, em França desde que o PS ficou Hollande, na Grã-Bretanha desde que Blair herdou o thatcherismo e Cameron lhe sucedeu. Hoje só sobrevive Merkel e a razão é evidente: a Alemanha é a única beneficiária da globalização e da UE. Portanto, cada eleição continuará a crise, excepto na Alemanha.
A minha segunda conclusão é que não vale a pena perguntar se a social-democracia pode renascer com Corbyn. Ela já morreu e é vítima do fim da hegemonia neoliberal. A Segunda Internacional é uma fantasmagoria, inclui o MPLA e os partidos ditatoriais que foram derrubados no norte de África e é presidida por Papandreou, lembra-se dele? Resta o Partido Socialista Europeu, que é de pouca valia. Isto não tem destino: define-se como centro, ou nos dias de festa como centro-esquerda, e faz por cumprir, veja as listas das portas giratórias entre os governantes e a finança ou as privatizações e ficamos conversados.
Mas que um partido com tradições populares possa ter 40% de votos com um programa de nacionalizações, isso já tem muito significado. Corbyn está fora desse triângulo das Bermudas que é o centro e foi por isso que venceu Blair, os tabloides e as sondagens.
Finalmente, há uma derradeira resposta a esta crise europeia com a fragilização do centro e dos partidos neoliberais, que é manipular as leis eleitorais. Cuidado com ela. Em alguns casos, isso ainda funciona: no domingo, em França, Macron com um terço dos votos pode eleger dois terços dos deputados. Em Itália fracassou. Em Portugal é a confusão: Montenegro tanto propõe um sistema brasileiro, que poucos acharão um caso de sucesso, quanto se distancia dos círculos uninominais, que por sua vez o PS deseja mas não consegue aprovar (estava no seu programa, ao cuidado dos que aplaudem o desejo de uma maioria absoluta). Mas, como se viu, leis eleitorais manipulatórias podem tornar-se um factor de exasperação popular. E agravar a crise retirando-lhes legitimidade não é solução para a crise dos governos, pois não? Pois é nisso que estamos. No topo ninguém sabe o que fazer. Excepto a Alemanha.

The new old Labour



por estatuadesal
(Daniel Oliveira, in Expresso, 10/06/2017)
daniel2

Em Cambridge, Bernie Sanders fez dois paralelos entre a sua candidatura e a de Jeremy Corbyn: os dois abalaram estruturas partidárias através da entrada de mais cidadãos na participação política e os dois concentraram a sua mensagem no combate à desigualdade social. Combate a que associaram a denúncia do sequestro dos governos por interesses económicos. Este tipo de discurso costuma ser caracterizado como “populista”. Não vou contestar, apesar da caracterização pretender deslegitimar a mais elementar exigência democrática resumida por Lincoln — “um governo do povo, pelo povo e para o povo”. Para a esquerda, a questão é a que sempre foi: porque a desigualdade social se traduz em desigualdade política, não há verdadeira democracia sem os mínimos de igualdade. E por saberem isso, Bernie e Corbyn regressaram aos valores matriciais dos seus espaços políticos. Sanders recuperou Roosevelt, Corbyn renovou o “espírito de 45”, que marcou o início do mais longo período de paz e prosperidade que a Europa conheceu. Apesar da marca vintage, Corbyn, tal como Sanders, mobilizou os jovens como nunca se vira. Não contra as pensões dos seus avós ou os empregos supostamente mais seguros dos seus pais, como a direita liberal sempre tentou que acontecesse, mas pelo resgate do que os seus avós conquistaram e os seus pais deixaram que se perdesse.
Há um mês, quando todos davam Corbyn como morto, Tony Blair escreveu um artigo no “The Guardian” em que explicava que o ‘Brexit’ era o único tema para os trabalhistas nesta campanha. Que não resultaria apelar ao voto para salvar o Serviço Nacional de Saúde e travar os cortes nas escolas. Blair sabia que se dirigia a uma minoria. 45% dos britânicos continuam a defender o “hard Brexit”, 25% votaram “remain” mas querem que a decisão do referendo seja cumprida e apenas 22% ainda desejam travar a saída da UE. Sendo o tema central deste mandato, seria evidentemente fraco para Corbyn, que ainda por cima está longe de ser um europeísta militante. Felizmente, o candidato não insistiu na dicotomia entre nacionalistas e europeístas. Apresentou um programa que a imprensa apelidou de suicidário: renacionalização dos correios e caminhos de ferro, defesa do Serviço Nacional de Saúde, reforço da Escola Pública, ensino superior gratuito, investimento na habitação e um sistema fiscal mais progressivo. E foi isso que fez a diferença. Num dos países mais desiguais da Europa, Corbyn regressou à agenda pré-blairista. O espírito do old Labour foi refundado por um velho apoiado por jovens.
É verdade que não chegou para ganhar as eleições. Mas, ainda há um mês, os conservadores esperavam ter a mais esmagadora vitória da sua história e todo o establishment do Labour preparava as exéquias de um líder que punha em causa a sua acomodada sonolência. Imaginem como teria corrido se os deputados trabalhistas não tivessem feito campanha contra ele? Mas talvez este tenha sido o melhor resultado para Corbyn. Depois da amarga vitória dos conservadores, terão de ser eles, no meio do seu próprio caos, a resolver os problemas que criaram.
Corbyn reforça a sua liderança matando, de uma vez por todas, o blairismo e a sua terceira via. O Labour virou mesmo à esquerda e as clivagens políticas que contam estão de volta. Precipitou-se quem suspirou de alívio com o centrismo radical e liberal de Macron. A história está sempre por contar.

terça-feira, 6 de junho de 2017

BULE BRITÂNIA…


por estatuadesal

(Por José Gabriel, in Facebook, 06/06/2017)

may_corbyn
Só faltava esta: comentadores a defender que a queda eleitoral de Theresa May e correspondente subida de Jeremy Corbyn se deve aos atentados terroristas - alguns dos mesmos comentadores que os classificava, há poucos dias, como uma vantagem para os Conservadores. Parece que não conseguem interiorizar o simples facto de que os eleitores preferirem as mensagens e projectos de Corbyn por razões políticas. Independentemente do valor que se possa atribuir ao programa Trabalhista e aos comportamentos do seu líder e não havendo, em alguns tópicos, tanta distância como alguns de nós - e deles...- gostaríamos, há diferenças fundamentais e, o que mata os neurónios de muitos comentadores, Corbyn é um candidato muito mais à esquerda que a tralha blairista. Quer dizer, valha o que valer o seu programa, um bom resultado dos Trabalhistas com tal candidato tem um significado que ultrapassa em muito a conjuntura britânica. Theresa May, pelo seu lado, tem representado tudo o que há de repulsivo num político: catavento político e moral, capaz de defender tudo e o seu contrário desde que obtenha uma vantagem conjuntural, socialmente insensível e isolacionista em modo Trump.
Parece ser insuportável para muitos dos nossos opinantes esta situação. Assim, recorrem, como os jornalistas do Público e outras folhas de couve, à velha treta do modelo teórico da moda. As coisas são boas ou más consoante estão "a dar" ou não. É assim que pensa a nossa direita coelhista que, quanto mais reaccionária é, mais insiste em proclamar a sua "modernidade"."Foram buscar Corbyn ao frigorífico", "está fora do tempo", e outras apreciações que tais. Não é novo este recurso argumentativo. É que uma análise procedente dá um trabalho dos diabos e o seu resultado pode não ser do agrado dos patrões. Assim, rasteja-se no senso comum.
Parece, para muitos, insuportável a visão da coerência e do carácter. Mas aqueles que de nós que têm memória, lembram-se que o "velho" Corbyn foi um dos 13 - entre 650! - que levantou a voz - e o voto! - e se opôs às aventuras criminosas na Líbia e à invasão do Iraque, fontes de muitos dos problemas que agora enfrentamos, entre os quais releva o da escalada terrorista. A maioria dos terroristólogos que por aí anda raramente lembra estes factos. As raízes do terrorismo são tão desconfortáveis...
Não se trata aqui de subscrever tudo o que Corbyn propõe e afirma, cujo conteúdo deve ser julgado pelos seus méritos, mas de saudar esta aragem de decência política. Renovadora, venha de onde vier no espaço e no tempo, porque, ao contrário do que pensam os tolos, não se trata de saber se as ideias são velhas ou novas, mas se são justas. Nos sentidos de justeza e de justiça.

domingo, 4 de junho de 2017

Estranhas coincidências

 

Imagem retirada da Wikipedia - "UK electoral polls

Apesar da suspensão da campanha, o primeiro atentado de Manchester não inverteu a ascensão do Partido Trabalhista. A campanha prosseguiu, Theresa May desapareceu defitivamente em combate, faltou a um debate essencial na BBC. E as sondagens continuaram a dar o Partido Conservador em queda. A última sondagem de ontem, dá os dois primeiros partidos com uma diferença de um ponto percentual de diferenta - repito: 1 ponto percentual! - quando há 15 dias tinha 20 pontos de diferença.
E não é que a poucos dias das eleições no Reino Unido surgem dois novos atentados no dia da final da Taça dos Campeões entre o Real Madrid e Juventus (na Ponte de Londres e em Borough Market)?
As forças policiais dizem que conseguiram responder em 8 minutos à primeira chamada de alarme e matar os terroristas, antes mesmo de conseguiram se fazer explodir, até porque não tinham quaisquer explosivos consigo.
Supostamente, após o atentado na ponte feito com uma carrinha branca, os três homens deixaram-na e seguiram para o Borough Market onde esfaquearam pessoas. A descrição feita pela documentarista Gabriele Sciotto, ao The Guardian (2:20), conta que a reacção policial foi muito rápida. Viu três homens a 20m de si e estava um polícia em Borough Market a tentar assustá-los. Os três homens correram na direcção de Gabriele porque estavam a ser perseguidos pelo polícia. Foram para a Stoney Street em direcção ao Wheatsheaf pub. Eram três. "De repente, montes e montes de polícias surgiram da outra direcção. Houve muitos gritos. 'Stop, no chão, no chão', coisas destas. Então a polícia começou a disparar". E os homens foram atingidos. Um deles ainda se movia. "Os polícias estavam assustados". Mais tarde, disse-se que a polícia disparara em resposta a tiros.
Mais tarde (ver entrada às 12:49), os depoimentos contradizem-se. Lewis Bennett, 39 anos, no mesmo site do The Guardian, afirma que um dos atacantes foi morto por um polícia num bar, depois de ter esfaqueado diversas pessoas. Outra testemunha diz que ouviu tiros às 1h15, quando todas as declarações policiais (entrada às 4:43) dizem que "responderam pronta e corajosamente" confrontando  os três homens que foram atingidos e mortos" e outra entrada (4:46), dá os homens como mortos às 22h16.
Noutra entrada (7:51). diz-se que às 23h a polícia chegou e disse para que as pessoas as seguissem com as mãos na cabeça.
Nunca há sobreviventes nestes atentados. E a campanha vai de novo ser suspensa.
Num vídeo posto no The Guardian (veja-se no link acima), vê-se jovens, cidadãos comuns, a caminhar pelas ruas com as mãos na cabeça, como se se tivessem rendido. "Porque puseram as mãos na cabeça?". "Não sei" responde um dos jovens. "Todos estavam a pôr..."

Fonte: Blog  “Ladrões de Bicicletas” (João Ramos Almeida)

sexta-feira, 22 de julho de 2016

A AMÉRICA NO SEU "MELHOR"


O Partido Republicano dos Estados Unidos da América escolheu, ontem, 21 de Julho de 2016, o seu candidato que irá disputar a presidência nas eleições de Novembro próximo, contra a candidata do Partido Democrata.

O candidato, Donald Trump, representa aquilo que a América tem de pior, a xenofobia, o racismo e o regresso do país ao papel de “polícia do Mundo”. A extravagante ideia da construção de um muro ao longo de toda a fronteira com o México, uma ideia que esteve, sempre, presente nos comícios por onde passou faz-nos temer pelo futuro do nosso planeta, atualmente envolto em demasiados conflitos, o mais perigoso dos quais foi o surgimento do DAESH, só possível pela “loucura” do penúltimo presidente dos USA, que iniciou uma guerra contra um país soberano, embora governado por um ditador, baseada em mentiras “fabricadas” pela CIA.



Nunca é demais lembrar que foram George W. Bush, Tony Blair, José Maria Aznar, tendo, como “camareiro” Durão Barroso, na famosa cimeira dos Açores que, com a sua loucura coletiva, deram origem ao inferno em que hoje se transformou o nosso mundo e onde a violência não pára de aumentar, no entanto, uma grande parte dos americanos não aprenderam com a lição, mesmo que muitas vezes repetida
.
Os massacres continuam a aumentar, a violência mortal por parte da polícia americana contra cidadãos negros indefesos é algo que deveria fazer corar de vergonha qualquer sociedade. No entanto, o poderoso loby do armamento, bem como dos seus apaniguados, continuam a defender uma lei, com mais duzentos anos, que permite aos americanos, a partir dos oito anos de idade, terem a sua própria arma. É a América no seu “melhor” e foi esta parte da América que escolheu Donald Trump para a governar e a representar no nosso Mundo.

A América dos “cow boys” e do “farwest”, afinal, continua a existir, para o nosso mal.
Estou esperançado que mais esta loucura seja passageira e que só dure até ao início de Novembro.


Ovar, 22 de Julho de 2016
Álvaro Teixeira

Publicação em destaque

INSTANTLY–Ageless

SEJA VOCÊ MESMA . SEJA PERFEITA Em apenas dois minutos, Instantly Ageless reduz o aparecimento de papos debaixo dos olhos, linhas finas,...